22 de julho de 2015
  •  
  •  

Uma passagem pelo Vale

Este relato tem como objetivo mostrar quão grande é o amor e a misericórdia de Deus em minha vida.

Rebeldia

Depois de cinco anos afastado do evangelho por conta de olhar erros de pessoas na igreja e com meu casamento já acabado, tive a oportunidade de conhecer o Pastor Marcílio e sua esposa Marta através de minha atual esposa por volta de 2006, passado mais ou menos um ano e meio, comecei a ter um contato mais frequente com referido casal e com isso, através do trabalho de resgate feito pelo MEN (missão evangelizadora aos motociclistas) retornei a casa do Pai.

O começo da Batalha

Mesmo depois deste retorno tive muita dificuldade para me firmar nos caminhos do Senhor, até porque os prazeres do mundo já estavam impregnados em mim e eu me esforçava para me libertar do cigarro e da bebida, destes, o cigarro foi onde eu travei uma luta mais longa, ao contrário da bebida, dai para frente tentei com todo esforço, mais sem êxito, até que durante este período comecei a sentir umas coisas estranhas com o meu coração (umas batidas num ritmo diferente e sensação de ansiedade) ainda assim não dei muita importância e achava que isso fosse parar com algum tempo, o tempo foi passando e percebi que o problema continuava, dai quando estava determinado a procurar um médico, foi quando as coisas começaram a piorar subitamente. Exatamente no dia 28 de setembro do mesmo ano, dei entrada na emergência do hospital naval Marcílio Dias e depois de um dia na enfermaria de grande emergência, tive uma crise respiratória e descompasso no coração até que desfaleci e fui parar na UTI coronária, os médicos acharam que eu estava enfartando até que depois de ter passado por um cateterismo descobriram que não infarto e sim uma miocardite, depois de seis dias fui para enfermaria e dias depois de ter feito vários exames, ainda resisti a uma isquemia.

Tribunal da própria consciência

Quando cheguei ao hospital muito debilitado por ter passado muitas noites sem dormir, já estava conformado com o fato de ser a bola da vez, pressentia muito conformado a minha morte e só pedia ao Senhor que me perdoasse por não ter sido um servo fiel até aquele momento e minha esposa quando soube que eu já estava na UTI se desesperou e começou a perguntar e pedir resposta a Deus; quando indo para casa um carro tomou a frente da Kombi em que ela estava com a seguinte resposta

“Não morrerei, viverei e contarei as obras do Senhor” (Salmos 118.17 )

A Restauração do Templo

A bíblia diz que “o corpo é Santuário do Espírito santo 1 CO 6:19” e com a graça de Deus consegui me libertar do vício do cigarro, resisti a um quadro gravíssimo de doença cardíaca chegando ao hospital com apenas 25% de fração de ejeção, nesses quatro últimos anos venho passando por acompanhamento médico onde minhas condições de saúde tem sido vitoriosa, atualmente minha fração de ejeção chega a 56% apesar da miocardite ter feito meu coração crescer um pouco, mais a restauração mais importante foi a minha vida espiritual,

A chama volta a arder

No hospital o Senhor me revelava muitas coisas através da minha própria situação assim como a dos demais pacientes, principalmente o Srº que dividia o quarto comigo (depois que saí, tive a notícia que ele havia falecido, foram em média noventa e cinco dias internado), por muitas vezes Deus me usou para confortar seus familiares a ponto de eu estar fazendo a barba e o Senhor me mandar falar para esposa do companheiro que a hora da morte dele era a hora de Deus e não a hora que eles desejavam por conta do sofrimento que ele já vinha passando, a situação dele me chamava à atenção por que a falta do pedir perdão ou perdoar alguém pode fazer a diferença até na hora de nossa morte. Além dele fui muito usado para orar por muitos doentes alguns se preparando para cirurgia outros se recuperando, e até mesmo para as pessoas que iam visitar seus doentes.

Em meio a todos esses acontecimentos, retomei o seminário, a vontade de recuperar o tempo perdido só foi aumentando hoje estou morando em Iguaba Grande numa benção que Deus me liberou, estou terminando o seminário. E tudo isso com a alegria e o desejo ardente no coração de fazer a obra do Senhor e saber que “as misericórdias do Senhor são as causas de não sermos consumidos, pois as suas misericórdias não tem fim. Novas são a cada manhã; grande é a tua fidelidade LM 3: 22-23”. A todos que leem este testemunho, lembre-se que Deus também quer fazer milagres e fazer a diferença em sua vida.

Deixe seu Comentário